domingo, 22 de junho de 2014

Para os que amam Nova York mas detestam o Brasil

Tijolaço - 22 de junho de 2014 | 12:48 Autor: Fernando Brito 
ryanshelley
Fernando Brito 

Se a nossa elite  mentalmente colonizada tivesse um pingo de lucidez e um grama de compaixão (ou apenas um dos dois) olharia  para o Brasil com um sentimento de paz e esperança, em meio a um mundo que regride à miséria das primeiras décadas do século passado.

Mas teimam em ver o exterior como um mundo ideal, onde tudo é limpo, lindo e tecnológico.

O mundo, em todas as partes, é simplesmente feito de pessoas.

Quando elas vivem reduzidas à condição de bichos, nem a cosmopolita Nova York é civilizada.

Leiam o trecho que reproduzo desta matéria de hoje em O Globo.

E a foto que copio acima, de Ryan e Shelley, um casal de moradores de rua.

Um ex-casal, aliás, porque Ryan, agora, está morto.

É bom para lembrar o que esquecemos depois que passamos a achar Charlie Chaplin apenas um comediante antigo, não um intérprete de gente sem cuidado e sem esperança.

E que o drama humano é só existencial e não também pela sobrevivência.

Talvez com isso os que praguejam contra as nossas alegrias e desprezam os nossos progressos possam entender o quanto caminhamos.

E, por isso, o quanto acreditamos que temos de continuar a caminhar.

Mas sempre assobiando, alegres, como Carlitos.


A Nova York dos excluídos

Isabel Deluca

O número de sem-teto em Nova York atingiu, este ano, o maior nível desde a Grande Depressão nos anos 1930. Segundo as últimas estatísticas federais, a população sem moradia aumentou 13% em comparação com o ano passado, apesar da suposta recuperação da economia — e enquanto a média nacional só faz diminuir. A tendência cresce sobretudo entre famílias e virou um dos maiores desafios do prefeito Bill de Blasio, que fez da habitação acessível um dos pontos centrais do seu discurso de campanha, para comandar uma cidade onde os aluguéis não param de subir.

Os nova-iorquinos que passam a noite em abrigos ou nas ruas chegaram a 64.060, de acordo com o relatório anual do Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano (HUD, na sigla em inglês), que compila dados de três mil cidades americanas.

Só Los Angeles teve aumento maior: lá, os desabrigados cresceram 27%, embora o total ainda seja menor que o de Nova York. No resto do país, o número caiu 4% desde 2012: hoje são 610.042.

— A maior parte dos EUA mudou a tática de reagir ao problema, e está funcionando — explica o professor de Políticas Sociais da Universidade da Pensilvânia Dennis P. Culhane, autor do relatório do HUD. — O foco tem sido no realojamento imediato, muitas vezes na forma de mediação de conflitos, mas também com ajuda financeira. O modelo de botar num abrigo e esperar até que se consiga encontrar uma moradia, ou que o cidadão consiga juntar dinheiro para sair, não é o novo modelo que emerge no país. Mas é o de Nova York.

Na cidade mais rica do mundo, a crise é resultado sobretudo do aumento no número de famílias que já não podem pagar aluguel. O último censo registrou um declínio no número de apartamentos acessíveis em Nova York, enquanto a renda da classe média baixa só faz cair. Para Culhane, parte do problema ainda pode ser creditado à crise econômica:
— Há desemprego excessivo, afetando a capacidade de pagar o aluguel. Há mais jovens adultos e suas famílias com pais ou avós. Isso cria um ambiente estressante que pode levar ao despejo. É o que acontece em dois terços dos casos. A razão mais comum que os novos sem-teto reportam é conflito familiar na casa superlotada.

Em Nova York, as famílias já representam 75% da população dos abrigos. Há menos sem-teto nas ruas do que há uma década, mas a lotação nos dormitórios é recorde — 52 mil, sendo 22 mil crianças. Relatório divulgado em maio pela ONG Coalizão para os Desabrigados aponta outro recorde: o tempo médio que uma família permanece num abrigo atingiu 14,5 meses.

O Departamento de Serviços para Desabrigados disponibiliza diariamente dados sobre os abrigos. 

Na última quarta-feira, eram 30.540 adultos e 23.227 crianças. O número de sem-teto que pernoitam em refúgios municipais é, hoje, 73% maior do que em janeiro de 2002, quando o ex-prefeito Michael Bloomberg tomou posse. Ele tentou driblar a questão com uma série de políticas, mas o resultado foi a superlotação dos dormitórios públicos.

— Prefiro dormir na rua do que num abrigo — relata Elliot, um sem-teto de 52 anos que costuma passar as tardes na esquina da Rua 72 com a Broadway. — A comida é pavorosa. Os banheiros são imundos. Há ratos e baratas por todo canto.

.

Um comentário:

marcosreis aurelio disse...

Orlando Nova Orleans, como outras cidades daquela regiao sao a verdadeira expressao do abandono, do descaso das autoridades americanas, por la so impera a droga o crime, desabrigados e viciados se encontra os montes por la. Tambem nao podemos esquece da cidade fantasma DETROIT, antes uma das cidades mais importantes dos EUA. hoje um cemiterio tudo isso porque muitas verbas sao desviadas para atender as forças armadas americana com seu paranoico poder de controlar o mundo.pois se metado do orçamento que vao para as forças armadas americanas fossem canalisado para o bem social os EUA seria de primeiro mundo em tudo. mais eles pouco estao ligando para isso. o que eles querem é o poder. a sêde do poder custe o que custar