sexta-feira, 20 de junho de 2014

Por que a direita anda mais raivosa do que nunca?


Os barões das grandes corporações midiáticas perceberam que, para haver uma oposição de direita forte, é preciso uma ampla opinião pública direitista.
Faz tempo que as campanhas eleitorais são espetáculos dantescos, movidos por baixarias sem limites. Enquanto o Tribunal Superior Eleitoral fica muitas vezes cuidando da perfumaria, os dinossauros reinam.
Mas há algo de novo nesta campanha.
A começar do fato de que boa parte da perversidade de campanha seguia, antes, o seguinte roteiro: denúncias na imprensa, primeiro em jornais e revistas, que depois se propagavam na tevê e no rádio e, finalmente, ganhavam a rua pela ação dos cabos eleitorais.
Agora, o roteiro é: denúncias pela imprensa, mas divulgadas primeiro via internet; propagação pelas redes sociais; repetição pela tevê e pelo rádio e, por último, sua consolidação pelo colunismo e editorialismo da imprensa tradicional.
Embora essa imprensa ainda seja, normalmente, a dona da informação, seu impacto é cada vez menos medido pela audiência do próprio meio - que anda em declínio em praticamente todos os veículos tradicionais - e mais pela sua capacidade de propagação pela internet - blogs, redes sociais e canais de vídeo, principalmente pelo Youtube. E a versão que se propaga da notícia acaba sendo tão ou mais importante do que a notícia em si.
Antes, as pesquisas de opinião calibravam os rumos das campanhas. Nesta eleição, a internet é quem tende a ditar o ritmo. As pesquisas vão servir para aferir, tardiamente, o impacto de alguns assuntos que ganharam peso na guerrilha virtual.
Antes, o trabalho de amaldiçoar pra valer os adversários políticos era feito pelos cabos eleitorais que batiam de porta em porta. Agora, os cabos eleitorais que caçam votos perambulam pelos portais de internet, pelos canais de vídeo e entram nos endereços dos eleitores pelas redes sociais.
Uma outra diferença, talvez tão decisiva quanto essa, é que a direita resolveu aparecer. Antes, o discurso da direita era de que não existia mais esse negócio de "direita x esquerda".
A direita, finalmente, saiu do armário e anda mais raivosa do que nunca. Em parte, a raiva vem do medo de que, talvez, ela tenha perdido o jeito de ganhar eleições e de influenciar os partidos.
Por outro lado, a direita imagina que a atual campanha petista está mais vulnerável que em outras épocas. A raiva é explicada, nesse aspecto, pelo espírito de "é agora ou nunca".
Os bombardeios midiáticos raivosos têm assumido feições mais pronunciadamente ideológicas.
Ao contrário de outras eleições, os ataques têm não só mentiras, xingamentos e destemperos verbais de todos os tipos. Têm uma cara de pensamento de direita.
Querem não apenas desbancar adversários. Querem demarcar um campo.
Não é só raiva contra um partido. É ódio de classe contra tudo e contra todos os que se beneficiam (e nem tanto quanto deveriam) de algumas das políticas governamentais.
É ódio contra sindicatos de trabalhadores, organizações comunitárias, movimentos de excluídos (Sem Terra, Sem Teto), grupos em defesa de minorias e de direitos humanos que priorizam a crítica a privilégios sociais e aos desníveis socioeconômicos mais profundos.
A mídia direitista tem desempenhado um papel central. Sua principal missão é orientar os ataques para que eles tenham consequência política e ideológica no seio da sociedade brasileira.
Como sempre, a mídia é diretamente responsável por articular atores dispersos e colocá-los em evidência, conforme uma pauta predeterminada.
Embora seja uma característica recorrente, no Brasil, a mídia tradicional comportar-se como partido de oposição, nos últimos anos ela parece seguir uma nova estratégia.
Os barões das grandes corporações midiáticas brasileiras, com a ajuda de seus ideólogos, perceberam que, para haver uma oposição de direita forte, é preciso formar uma ampla opinião pública direitista.
Antes mesmo de cobrar que os partidos se comportem e assumam o viés de direita, é preciso haver uma base social que os obrigue a agir enquanto tal.
A mídia tradicional entendeu que os partidos oposicionistas são erráticos em seus programas e na sua linha política não por falta de conservadorismo de suas principais lideranças, mas pela ausência de apelo social em sua pregação.
Em função disso, coisas como o Instituto Millenium se tornaram de grande importância. O Millenium tem, entre seus mantenedores e parceiros, a Abert (controlada pelas organizações Globo) e os grupos Abril, RBS e Estadão. O instituto é também sustentado por outras grandes empresas, como a Gerdau, a Suzano e o Bank of America.
O Millenium tenta fazer o amálgama entre mídia, partidos e especialistas conservadores para gerar um programa direitista consistente, politicamente atraente e socialmente aderente.
O colunismo midiático, em todas as suas frentes, é outro espaço feito sob medida para juntar jornalistas, especialistas e lideranças partidárias dedicadas a reforçar alguns interesses contrariados por algumas políticas públicas criadas nos últimos 12 anos.
A estratégia midiática de reinvenção da direita brasileira representa, no fundo, uma tentativa desesperada e consciente dessa mesma mídia de reposicionar-se nas relações de poder, diante da ameaça de novos canais de comunicação e de novos atores que ganharam grande repercussão na opinião pública.
Com seu declínio econômico e o fim da aura de fonte primordial da informação, o veneno em seus anéis tornou-se talvez seu último trunfo no jogo político.

2 comentários:

Ralph de Souza Filho de Souza Filho disse...

Pela simples razão, de que, a Direita, perdendo o prumo, o rumo, a direção, o norte, e, não tendo impedido o crescimento demográfico descontrolado, não se apercebera, da inédita possibilidade, porém, real e concreta,de que hordas imensas, cuja exclusão social se agigantava, em progressão geométrica, e, nesse caso específico, pudessem vir os excluídos de todos os matizes, à estarem vulneráveis, às ações de quaisquer políticas públicas em áreas sociais sensíveis. Ademais, o instituto da reeleição, comprado à peso de ouro pelo Príncipe da Privataria Tucana, expusera às fôrças progressistas, a percepção, de que ainda que,chantageadas, em 2002, pela imposição da assinatura, por parte do Sapo Barbudo, da Carta aos Brasileiros, empurrada goela abaixo, em uma rendição humilhante,elas avançariam, ampliando, de modo implacável sua supremacia, que hoje, se expressa no desespero das fôrças neoliberais, conservadoras e reacionárias, ante à inevitável 4ª derrota seguida, ratificando a axiomática absoluta do aforismo que, prega, " Que o feitiço se voltara contra o feitiçeiro ". FHC deve ruminar, amargamente, o arrependimento da compra da PEC da Reeleição. Saudações do Planta do Deserto, a quem, basta, tão somente, o orvalho do alvorecer...

Ralph de Souza Filho de Souza Filho disse...

Pela simples razão, de que, a Direita, perdendo o prumo, o rumo, a direção, o norte, e, não tendo impedido o crescimento demográfico descontrolado, não se apercebera, da inédita possibilidade, porém, real e concreta,de que hordas imensas, cuja exclusão social se agigantava, em progressão geométrica, e, nesse caso específico, pudessem vir os excluídos de todos os matizes, à estarem vulneráveis, às ações de quaisquer políticas públicas em áreas sociais sensíveis. Ademais, o instituto da reeleição, comprado à peso de ouro pelo Príncipe da Privataria Tucana, expusera às fôrças progressistas, a percepção, de que ainda que,chantageadas, em 2002, pela imposição da assinatura, por parte do Sapo Barbudo, da Carta aos Brasileiros, empurrada goela abaixo, em uma rendição humilhante,elas avançariam, ampliando, de modo implacável sua supremacia, que hoje, se expressa no desespero das fôrças neoliberais, conservadoras e reacionárias, ante à inevitável 4ª derrota seguida, ratificando a axiomática absoluta do aforismo que, prega, " Que o feitiço se voltara contra o feitiçeiro ". FHC deve ruminar, amargamente, o arrependimento da compra da PEC da Reeleição. Saudações do Planta do Deserto, a quem, basta, tão somente, o orvalho do alvorecer...