sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Nas barbas do Dr. Moro, a família “enojada” continua aprontando

Fernando Brito, Tijolaço 

"Lembram da história do ladrão “convertido” Paulo Roberto Costa, sobre o “estar enojado” e ter se arrependido em defesa dos valores familiares?

Pois não é que a família Barrabás, agora santificada e protegida em acordos de  delação premiada, por seu caráter redimido, que lhe dá o direito de acusar qualquer um, continua aprontando, nas barbas do Dr. Sérgio Moro?

Graças a um erro da funcionária Catia Nunes Cavalcante, da agência carioca do Bradesco, que esbarrou na tecla errada e tascou mais três zeros num cheque administrativo de R$ 500 mil pedido por uma das filhas do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, Arianna Azevedo Costa Bachmann, ficamos sabendo que a moça continua fazendo altos negócios.

Porque, afinal, quem está com bens bloqueados e tem dinheiro para pedir de sua conta bancária dois cheques de R$ 500 mil e R$150 mil.

Como o cheque foi emitido errado e a goela é grande, Arianna reteve o documento e está sendo processada para devolvê-lo ao banco.

Mas, francamente, você acha que alguém recebe um cheque de 500 mil reais e não percebe na hora que está escrito mil vezes mais?

Que a funcionária, que preenche num terminal – daqueles, inclusive, que têm teclas de três zeros – dezenas de cheques todo dia tem “comido mosca”, vá lá. Uma fez um funcionário do antigo Banerj errou a digitação de um número e foram parar dois mil reais a mais na conta de minha mãe. Claro, devolvidos imediatamente.

Mas que essa moça, com os bens bloqueados, movimente na sua conta pessoal uma quantia de R$ 650 mil é o “ó”, não é, Dr. Moro?

De onde veio essa grana? De salário? Do cofrinho? Do tal baú escondido no quintal da casa?

Foi fruto de sua atividade de corretagem? Será que ela vendeu o Taj Mahal?
A família Costa é uma organização criminosa, que foi previamente perdoada pelos nossos doutos procuradores do Ministério Público e o seu patriarca é tratado como o oráculo de onde vem a verdade e a honradez.

Mas aí, descobre-se que a filha do enojado, em plena virada do ano, numa situação em que deveria estar dependendo até dos parentes para comprar um tender bolinha para o reveillon, saca R$ 650 mil em cheques administrativos de sua conta.

E como um dos cheques vem errado, com R$ 500 milhões em lugar de R$ 500 mil, ainda retém o documento, quem sabe para ver se tirava mais algum também disso.

E o Ministério Público, com o Dr. Moro, oferecendo casa, comida e roupa lavada para a família honrada apontar todos os desonestos da Petrobras.
Viva o Brasil!"

5 comentários:

BRASIL ESPÉRANÇA edson tadeu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
BRASIL ESPÉRANÇA edson tadeu disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
BRASIL ESPÉRANÇA edson tadeu disse...

499.500.000,00

BRASIL ESPÉRANÇA edson tadeu disse...

se voce erra uymn cheque de 500 mil e digita 500 milhoes no fim do dia vai ter que dar uma diferença de 499.500.000,00 milhoes e o caixa nao fecha, se foi compensado e nao deu erro no final do dia entao nao teve nada digitado errado. é papo furado. Quando um caixa como o caso de sua mae nao descobre qual cheque foi digitado errado ele paga o preju. se a pessoa reclama ai sim ele vai ter condiçoes de descobrir onde dfoi parar o dinheiro. mais normalmente no fim do dia tem que dar a diferença no caixa. nao tem como nao dar.

BRASIL ESPÉRANÇA edson tadeu disse...

e mesmo que seja umcheque compensado a compensaçao nao fecha nao tem como fechar e o funcionario da compensaçao tem que correr atraz do erro. portanto esta descartado qualquer falha humana nesse caso.