quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Marina no Jornal Nacional: Acabou a folga para Marina.


Acabou a folga para Marina.

Esta é a principal conclusão que emerge da entrevista com ela no Jornal Nacional.

Até aqui, ela só bateu nos outros. Quer dizer em Dilma e em Aécio, os representantes da “velha política”. Nem Dilma e nem Aécio, tão entretidos um com o outro, revidaram.

Agora, com seu crescimento vertiginoso nas pesquisas, ela vai começar a apanhar.

A pergunta que só encontrará resposta nas próximas semanas é quanto este novo cenário — em que ela passa a ser o alvo preferencial de Dilma e de Aécio — poderá afetá-la.

Que ela tem pontos vulneráveis ficou claro na entrevista do Jornal Nacional.

Patrícia Poeta lembrou, por exemplo, um ponto que ninguém usou ainda contra ela: a baixa votação de Marina, em 2010, em sua terra natal, o Acre.

Marina ficou em terceiro, atrás de Serra e de Dilma.

Isso pode ser usado da seguinte forma pelos adversários: atenção, quem conhece não gosta.

Em 2010, ela disse, com voz embargada, que o terceiro lugar era “uma tristeza muito grande”. (Seu então companheiro de chapa, o empresário Guilherme Leal, foi breve: “Não tem explicação.”)

Agora, ela tirou da bolsa o velho clichê que diz que santo de casa não faz milagre.

Invoco aqui, mais uma vez, Wellington com sua sentença definitiva: quem acredita que o provérbio explica a surra de Marina entre seus conterrâneos acredita em tudo.

Marina também se enrolou para dizer por que quando os outros se juntam a pessoas diferentes para compor uma chapa é “velha política” e quando ela se junta a alguém como Beto Albuquerque é “nova política”.

Albuquerque é financiado por empresas de transgênicos, armas e bebidas — algo que uma alguém realmente “puro” simplesmente não engoliria.

Marina desconversou. Fez a apologia da “diversidade”, e aproveitou para dizer que trabalhar com pessoas diferentes prova que ela, ao contrário do que se diz, não é “intransigente”.

Marina demonstrou aí a cara de pau cínica não da velha, mas da velhíssima política.

Marina pode ser desconstruída, sem dúvida. Mas vai ser?

A desconstrução leva algum tempo. Dificilmente o cenário vai mudar daqui até o primeiro turno.

Isso quer dizer que Dilma e Marina passarão, muito provavelmente, para o segundo turno.

Aí então começará uma nova disputa.

A surpresa já terá passado, a onda também, as emoções associadas à morte de Campos igualmente. E Marina dificilmente sustentará a imagem virginal.

Muitos dos jovens idealistas que viram nela uma resposta ao mofado mundo político nacional — e eles são a essência do fenômeno Marina — perderão as ilusões diante dos fatos como eles são.

Isso tudo quer dizer o seguinte.

Até há pouco tempo, com Campos na corrida, estava espalhada a sensação de que Dilma já ganhara, ou no primeiro ou no segundo turno.

Agora, com o surgimento estrepitoso de Marina na disputa, para muitos ela já ganhou.

Nem Dilma estava garantida antes, e nem Marina agora.

Terminada a fase de pêsames e de luto, liquidada uma situação que a deixava fora dos ataques de Dilma e de Aécio, começa um novo tempo para Marina, muito mais áspero e volátil.

O jogo está aberto — exceto para Aécio.

Paulo Nogueira
No DCM


Um comentário:

Brasil esperança disse...

EU SINCERAMENTE Saraiva temo pela vida dela, a direita unida ao pig e grandes corporaçoes americanas, nao confiam em Marina, optam por Aecio por ser mais vulneravel, ou seja, o cara é mais sujo que pau de galinheiro, e eles o podem ter na mao sob ameaça de impeachemm, como fizeram com fhc, NA verdade a turminha de Aecio pensaram que Marina iria tirar pontos de Dilma. e o tiro saiu pela culatra tirou mais de Aecio. e ao meu ver eles nao gostaram disso. e podem forjar outro acidente com o jatinho que ela anda porque esta preparado tambem, se nao tiver os espioes deles preparam em poucos tempo.