domingo, 26 de outubro de 2014

Golpe: até matar o Youssef eles tentam! Até no dia da eleição o Golpe baixo prolifera


Leia, amigo navegante, as notas da Polícia Federal:

Curitiba-PR – A Polícia Federal informa que Alberto Youssef foi hospitalizado hoje, 25.10, no início da tarde, devido a uma forte queda de pressão arterial causada por uso de medicação no tratamento de doenca cardíaca crônica.



Esta é a terceira vez que ocorre atendimento médico de urgência após a sua prisão.



São infundadas as informações de possível envenenamento.



Alberto Youssef permanecerá hospitalizado para a adequação da medicação e retornará à carceragem da Polícia Federal na Superintendência em Curitiba, após o seu pleno restabelecimento.



Assessoria de Comunicação



Polícia Federal



E hoje, domingo de manhã:



Curitiba-PR – A Polícia Federal informa que Alberto Youssef passou bem a noite e permanecerá, em princípio, internado por 48 horas, sob a escolta de Policiais Federais.



Não havendo nenhuma outra intercorrência retornará à carceragem da PF da Superintendência em Curitiba.

Comunicação Social da Polícia Federal no Estado do Paraná

Curitiba, 26 de outubro de 2014.

Tels. 41 3251-7810/ 7809 / 7813



E agora, o que se diz nas “redes sociais” do Aécio Never:



URGENTE – O doleiro Alberto Youssef acaba de FALECER depois de ser levado para um hospital na tarde deste sábado (25), em Curitiba.

O Dr. Gileno Setubal, plantonista do Hospital Cardiológico Constantinni informou a dois jornalistas que faziam plantão no hospital, o óbito. Por recomendação expressa de uma pessoa desconhecida, após ter feito o comunicado foi proibida que a informação seja divulgada até o final da votação neste domingo.



Assim como no caso Celso Daniel o PT providenciou uma queima de arquivo. Provavelmente o doleiro faleceu por envenenamento e não por enfarte como será anunciado. O mesmo PT que neste sábado fez um ato de vandalismo na sede da editora Abril, acaba de realizar mais um crime. Queima de arquivo contra que poderia depois de apresentadas as provas arruinar com a provável eleição de Dilma.



Não sei se é tempo útil, mas tente repassar esta mensagem para o mácimo de eleitores. Não podemos votar o 13 neste domingo. É endossar além a corrupção, a segunda morte de quem sabia de mais. Isso é usado no oriente médio, e em ditaduras.

Roberto Feldmen – Jornalista – DRT 0765 – RJ



Leia mais:
Postado há por
Mais uma vez do Blog Justiceira de Esquerda

Um comentário:

Tania bresolin disse...

Este "jornalista" precisa voltar pro ensino fundamental:
MÁCIMO????? DE MAIS?????